Reiki

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE REIKI

Por que sugerem um mínimo de 21 de auto-tratamento entre cada nível de Reiki?
Qual é a vossa linhagem de Reiki?
Como escolher um Professor de Reiki para me iniciar em Reiki?
Não têm um Nível III-A e outro Nível III-B?
Fui iniciado no Reiki II por outra pessoa, posso receber o Nível III por vosso intermédio?
O vosso Nível III é o Mestrado?
Com o vosso Nível III já posso iniciar outras pessoas em Reiki?
Sou iniciado no Reiki I há cerca de 1 mês, quando poderei receber o Nível II?
Por que é que os preços dos Mestrados variam tanto?

Por que sugerem um mínimo de 21 de auto-tratamento entre cada nível de Reiki?
    21 dias seguidos de auto-tratamento (de uma hora, no mínimo, por dia) é a sequência de trabalho que sugerimos que o praticante de Reiki estabeleça a si próprio como uma meta mínima a alcançar, para que ocorra uma integração mínima da sua Ki com a Rei, o que normalmente proporciona cura em algum ou mesmo todos os níveis do seu ser (físico, emocional, mental e espiritual). E assim faz-nos sentido: depois de ter praticado o que aprendeu e de ter sentido os benefícios do Reiki, passar ao nível seguinte. Não levar em consideração este elemento mínimo, é como tentar estar a colocar mais gasolina num carro do que aquela que o depósito permite: não entra, cai no chão e desperdiça-se. Cada nível de Reiki possui um potencial enorme de auto-cura, que deve ser minimamente integrado antes de passar ao nível seguinte, sob pena de se perderem processos de cura e de evolução pessoal que precisam de tempo. Querer galgar os níveis de Reiki (ou recebê-los todos de uma vez, como algumas pessoas fazem) é quase como passar por um buffet de sobremesas deliciosas e só lhes sentir o cheiro. Por que não sentar um pouco, respirar fundo, comer algumas sobremesas, fazer a digestão devidamente e só depois, experimentar comer mais algumas delícias?

[regressar ao topo da página]

Qual é a vossa linhagem de Reiki?
    Fomos iniciados em diversas linhagens e está neste website um artigo a respeito - sobre o qual sugerimos a sua leitura, aqui.

[regressar ao topo da página]

Como escolher um Professor de Reiki para me iniciar em Reiki?
    É um caminho de busca onde talvez seja importante ter alguns elementos em consideração. Sugerimos que fale com o(a) professor(a) pessoalmente, olhos nos olhos, se possível, no espaço onde irá ser iniciado (pois se nesse espaço se pratica Reiki, a vibração do mesmo deve ser especial), para avaliar como se sente no espaço e com o(a) professor(a). Não deixe de perguntar o que o professor acha sobre tantos sistemas de Reiki - se a resposta for «o sistema que eu ensino é que é o correcto» ou «o sistema que ensino é o mais forte» ou «o sistema que eu ensino é oriundo das verdadeiras raízes japonesas» ou «os símbolos que eu ensino é que são os verdadeiros» ou «o sistema que ensino é mais evoluído (ou superior) ao Reiki de Usui», coloque um "pé atrás", pois nenhum ser humano conhece o potencial máximo do Reiki - o próprio fundador, Mikao Usui, deixou um nível em aberto para o aluno que conseguisse chegar mais longe que ele próprio. Depois, para além de quanto custa o curso, pergunte se o professor passa recibo desse valor pois a relação da pessoa com o dinheiro pode revelar muito sobre o seu íntimo e sobre a sua relação com a sociedade; não pagar impostos ou desviar-se subtilmente da sua rota (por exemplo através de pedidos de donativos) mostra que a «sombra» do indivíduo está dominante, o que não é bom sinal, uma vez que a vibração que o Reiki veicula é de amor, respeito, harmonia e sabedoria. Como ser humano, deve ser uma pessoa sensível, pelo que sobretudo sugerimos: confie nas suas sensações e intuições.

[regressar ao topo da página]

Não têm um Nível III-A e outro Nível III-B?
    Não. O sistema Reiki que ensinamos (designado por Reiki Usui Shiki Ryoho, da tradição de Hawayo Takata, mesclado por métodos usados pelo fundador Mikao Usui), possui 3 Níveis. O 4.º Nível (ou III-B), foi adicionado ao sistema que a Sr.ª Takata ensinava, após a morte da mesma (altura em que foram incluídos no Reiki, uma série de técnicas e símbolos tibetanos).

[regressar ao topo da página]

Fui iniciado no Reiki II por outra pessoa, posso receber o Nível III por vosso intermédio?
    Sim, se decidir receber a iniciação no Reiki II também por nosso intermédio. O Nível III que ensinamos é para quem deseja ensinar o sistema Reiki Usui Shiki Ryoho. Pelo que temos constatado os ensinamentos do Nível II variam muito de professor para professor, pelo que, parece-nos uma postura coerente, para quem deseja ensinar um sistema de Reiki, possuir os conhecimentos adequados sobre o mesmo sistema. Será ainda importante inteirar-se do nosso programa do Nível I, Shoden, para verificar se está de acordo com o que aprendeu, caso contrário talvez devesse ponderar ser também iniciado no Shoden.

[regressar ao topo da página]

O vosso Nível III é o Mestrado?
    Sim. Com o nosso Nível III, o praticante fica com o conhecimento completo do sistema Reiki Usui Shiki Ryoho; também, fica com o título de Mestre de Reiki (e de Professor, se assim o decidir), todavia, Ter um Mestrado em Reiki, não significa Ser Mestre de Reiki - Ser Mestre de Reiki é algo que surge na sequência do trabalho efectuado e dos resultados alcançados; algo que deve ser avaliado, reconhecido e conferido, sem palavras, pelas pessoas que recorrem ao trabalho do potencial Mestre.

[regressar ao topo da página]

Com o vosso Nível III já posso iniciar outras pessoas em Reiki?
    Sim. Com o Nível III do sistema Reiki Usui Shiki Ryoho, o praticante fica com esse conhecimento, para o aplicar se necessário, logo que o curso acabe, a familiares e amigos. Aliás, durante o curso de Nível III - Shinpiden («shinpiden», significa «ensinamentos misteriosos»), os iniciados praticam desde logo entre si, os processos de sintonização.

[regressar ao topo da página]

Sou iniciado no Reiki I há cerca de 1 mês, quando poderei receber o Nível II?
    Sinceramente, não fazemos ideia. Seres humanos não são máquinas, mas uma união simbiótica altamente complexa de seres eternos com uma estrutura biológica humana efémera, que se adequa de diferentes formas e se transforma a diferentes ritmos aos estímulos vibracionais externos. Assim sendo, será o próprio praticante que terá de sentir que está preparado, tal como quando sentiu e decidiu que queria ser iniciado no Reiki I. Cada indivíduo tem o seu próprio ritmo de trabalho, uma forma única de sentir e de integrar as ciências místicas, uma forma muito própria de estar no mundo, pelo que, pensamos que cada pessoa deve auto-avaliar-se honestamente, assumir o seu poder pessoal e tomar as suas próprias decisões. Na nossa opinião, não faz porém muito sentido avançar para um nível seguinte sem ter alcançado antes, resultados positivos inequívocos com a prática do Reiki, algo que normalmente surge com a sequência de 21 dias seguidos de auto-cura (uma hora, no mínimo, por dia) - sendo esta sequência (de 21 dias) aquilo que sugerimos que o praticante de Reiki estabeleça a si próprio como uma meta mínima a alcançar.

[regressar ao topo da página]

Por que é que os preços dos Mestrados variam tanto?
    Talvez porque cada professor, vê o Reiki de diferentes perspectivas. Conhecemos pessoas que iniciam outras gratuitamente, e dizem-nos que daqueles que iniciam, uma grande percentagem não dá seguimento ao trabalho de casa (como por exemplo: o auto-tratamento de 21 dias seguidos). Conhecemos outras que cobram muitíssimo mais do que nós, dando uma grande percentagem dos seus alunos, seguimento ao trabalho de casa. Mas nestas regras, existem excepções. Observando, parece-nos que há pessoas que precisam de pagar muito para darem valor ao que recebem, outras nem tanto assim. Pela nossa parte, tentamos um equilíbrio entre os preços baixos e altos (não entre os altíssimos, que podem ascender, para um Mestrado, aos 10.000 Euros). Isto não significa que nós é que estamos certos e os outros errados, mas, significa que nos sentimos bem com o nosso equilíbrio. Outros professores sentir-se-ão bem de outras formas. Todos são necessários.

[regressar ao topo da página]

Coloque-nos a sua questão.


© Copyright, Sandra Ramos e Jorge A. Ramos